TRF-4 marca julgamento do cartel dos cegonheiros. MPF quer elevar multas aos condenados para mais de R$ 1,2 bilhão

A 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) marcou para a manhã de 24 de abril o julgamento das apelações à condenação do cartel dos cegonheiros ocorrida na Primeira Instância, em junho de 2016. A Ação Civil Pública foi movida pelo Ministério Público Federal (MPF) contra General Motors do Brasil, Luiz Moan Yabiku Júnior (ex-diretor para assuntos institucionais da montadora), Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV) e Sindicato Nacional dos Cegonheiros (Sinaceg). Todos foram condenados por formação de cartel. A denúncia foi feita no ano 2.000 pelo Sindicato dos Cegonheiros do Rio Grande do Sul (Sintravers), foto de abertura, que depois se aliou ao cartel, após ser cooptado a exemplo de outras entidades regionais, passando a defender os ideais que criticou no passado. Os procuradores da República querem quadruplicar a multa imposta à GM e a Moan, e condenar ANTV e Sinaceg ao pagamento de R$ 15,9 milhões, além de outras sanções.

GM descumpre liminar
Ajuizada em 2002, a ACP levou 14 anos para ser sentenciada. Antes, a Justiça Federal de Porto Alegre deferiu liminar obrigando a General Motors do Brasil a contratar transportadores não vinculados ao sistema ANTV/Sinaceg, para escoar inicialmente 10% da produção da planta de Gravataí. Na mesma decisão, a montadora precisou estender a exigência às demais fábricas instaladas no país, num percentual inicial de 1%. A Júlio Simões, empresa sediada em Moji das Cruzes (SP) foi contratada na época. Autor da ação, o MPF acredita que a GM não cumpriu integralmente os termos da decisão liminar e está a cobrar a aplicação de multa por descumprimento. A Júlio Simões foi relegada pela montadora ao transporte de veículos para a Argentina, não atendendo ao mercado nacional.

Na primeira instância, a sentença condenou a GM ao pagamento de multa equivalente a R$ 250 milhões (mais atualização monetária); Luiz Moan, a R$ 2,5 milhões; ANTV, R$ 5 milhões e o encerramento das atividades, e Sinaceg, R$ 300 mil. Na apelação, o MPF quer que ANTV e Sinaceg sejam condenados ao pagamento de R$ 15,9 milhões cada um. Os valores devem ser rateados entre os associados e as duas entidades devem deixar de existir. Para a General Motors, os autores da ACP pedem a elevação da multa para R$ 1,2 bilhão, enquanto Luiz Moan deverá ficar responsável pelo pagamento de R$ 12,5 milhões. Montadora, Moan, ANTV e Sinaceg também apelaram.

Cartel causa prejuízos astronômicos aos consumidores
De acordo com dados revelados pelos procuradores da República Silvana Mocellin e Estevan Gavioli da Silva, na petição protocolada na Justiça Federal, que o site Livre Concorrência teve acesso com exclusividade, o prejuízo aos consumidores finais entre 1997 e 2014 ultrapassou a cifra de R$ 7,7 bilhões:

“É plausível auferir que, no mínimo, 19.298.933 vezes os consumidores foram atingidos pela ação infratora”.

Ainda segundo a equação montada pelos procuradores, o montante do sobrepreço pago pelos consumidores, pela ausência da livre concorrência, no mesmo período, chegou aos R$ 7.719.573.200,00.

“Isto estimando-se apenas nesse mercado e com apenas o sobrepreço de 25% (vinte e cinco por cento)!”

Tomando-se por base a equação montada pelo MPF, e transferindo para as montadoras que adotam o mesmo sistema de escoamento da produção, via cartel, o prejuízo aos consumidores está na ordem de R$ 1,8 bilhão a cada ano.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

2 comentários sobre "TRF-4 marca julgamento do cartel dos cegonheiros. MPF quer elevar multas aos condenados para mais de R$ 1,2 bilhão"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    É meus caros amigos leitores deste brilhante Portal!
    Dessa vez, as sentenças deverão ser sumariamente cumpridas. Assim espero!
    O MPF não pode recuar em hipótese alguma! Os acusados devem ser punidos sim, para então, definitivamente eliminar este Cartel, do nosso País!
    Chega de tantos prejuízos causados aos consumidores finais. A Planilha acima já define os absurdos financeiros volumosos em questão!
    CUMPRAM-SE AS SENTENÇAS ORA ESPERADAS!
    AVANTE BRASIL!

  2. Janaina Galvao disse:

    Desde o ano 2000 que se arrastam esses processos… que absurdo! Enquanto isso, o povo brasileiro paga a conta. Como pode, com tantas denúncias e provas comprobatórias esse cartel ainda não acabou? Espero que agora… a justiça seja realmente feita e justa!!!

Os comentários estão encerrados