TRF-4 retoma ação contra cartel dos cegonheiros

Julgamento que manteve, por unanimidade, multa de R$ 400 milhões à GM e extinguiu entidade das transportadoras segue o trâmite normal, depois de o STJ cassar liminar que suspendia seu efeito. Corte confirmou condenação de GM, Moan, Sinaceg e ANTV por formação de cartel.

A decisão dos desembargadores da 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), ocorrida em 4 de setembro de 2019, continua valendo. Ela teve seus efeitos suspensos no mesmo mês, quando o ministro Napoleão Nunes Maia Filho, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu liminar à Associação Nacional das Empresas Transportadoras de Veículos (ANTV). A entidade, extinta compulsoriamente pela Justiça Federal, suscitou conflito de competência entre o TRF-4 e o TRF-1. Sem legitimidade para dar continuidade ao processo no STJ, o próprio ministro cassou a antecipação de tutela, dois meses depois. A ilegitimidade foi descoberta e denunciada pelo site Livre Concorrência ao constatar que todas as transportadoras associadas à entidade patronal haviam pedido desligamento há mais de 15 anos.

O órgão do TRF-4 manteve intocável os principais itens da condenação em 1ª instância. General Motors do Brasil recebeu aplicação de multa equivalente a 1% do faturamento bruto do ano anterior (2001) ao ajuizamento da Ação Civil Pública, o que equivale atualmente a cerca de R$ 400 milhões. Luiz Moan Yabiku Júnior, diretor (à época) para assuntos institucionais da montadora, deverá pagar multa de 1% do valor aplicado à GM: R$ 4 milhões. O Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo, o Sinaceg, terá de pagar multa de R$ 300 mil, a menor de todas. Já a ANTV, além de ter sido extinta compulsoriamente pelo judiciário, por entender se tratar de entidade criada para fins ilícitos, terá de arcar com o pagamento de multa da ordem de R$ 5 milhões. Todos os valores deverão sofrer correção.

Sobre a dosimetria das multas aplicadas aos quatro condenados, no julgamento de setembro de 2019, a desembargadora-relatora Vivian Josete Pantaleão Caminha justificou em seu relatório e voto:

Afigura-se consentâneo com a gravidade da infração e sua efetiva consumação, o grau de lesão à livre concorrência, à economia nacional e aos consumidores, os efeitos econômicos negativos produzidos no mercado e sua situação econômica.

Desembargadora federal Vivian Josete Pantaleão Caminha

Confira abaixo as penas confirmadas pelo TRF-4:

A decisão de retomar as intimações foi publicada na última sexta-feira (12). A partir da citação dos réus e do autor, o Ministério Público Federal, todos terão 15 dias úteis para apresentar possíveis recursos.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Combate aos cartéis Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "TRF-4 retoma ação contra cartel dos cegonheiros"

  1. Luiz Carlos Bezerra disse:

    Não existe defesa para crimes dessa espécie, já devidamente comprovados por investigações efetuadas pelos órgãos competentes da Justiça.
    Crimes esses já sentenciados e julgados.
    Cumpram-se as Leis, imediatamente!
    Todos os Réus dessas Ações devem ser sumariamente punidos.
    Doa a quem doer!
    Brasil acima de tudo!

Os comentários estão encerrados