Um ano e meio depois de o Cade abrir processo administrativo contra cartel de RH, cinco pessoas jurídicas pagarão R$ 31 milhões por práticas anticompetitivas

Valor foi fixado em seis termos de compromisso para cessação de conduta firmado entre as empresas envolvidas e o órgão antitruste. Apuração deveu-se à suspeita de troca de informações sensíveis ao mercado de trabalho, como condições de contratação, remunerações, reajustes salariais e benefícios oferecidos.

Solaris Energia Solar - whatsapp (51) 984326475

De Brasília

Um ano e meio depois de o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abrir procedimento para apurar práticas anticompetitivas entre departamentos de recursos humanos, o Tribunal do órgão antitruste aprovou na semana passada seis termos de compromisso (TCCs) com empresas investigadas por formação de cartel para cessação de condutas que violam a livre concorrência no setor. Os acordos preveem o pagamento de R$ 31 milhões por cinco pessoas jurídicas: Siemens Healthineers, Edwards Lifesciences, Baxter, PerkinElmer, Olimpus e Stryker. Outros R$ 3,3 milhões deverão ser desembolsados por pessoas físicas vinculadas às companhias autuadas.

A investigação do cade mirou 37 empresas e mais de 100 pessoas físicas do setor de fornecimento de equipamentos e serviços de saúde. O caso envolve grandes indústrias farmacêuticas, além de fornecedores de serviços e equipamentos médico-hospitalares. As irregularidades apuradas incluem trocas de informações concorrencialmente sensíveis relacionadas a salários, benefícios e compensações em geral. Especialistas apontam para uma situação mais grave: configuração de cartel para impedir contratações (lista negra) ou para combinar salários iguais a serem pagos por todas as empresas.

Esse tipo de investigação é inédita no Brasil. Segundo os advogados José Del Chiaro e Luís Nagalli, as autoridades antitrustes estrangeiras vêm alertando sobre o fato de que RHs não estão imunes ao escrutínio antitruste há mais tempo.

Nos Estados Unidos, o Departamento de Justiça (DOJ) instaurou uma série de investigações contra empresas do Vale do Silício — entre elas Apple, Intel e Adobe — que firmavam acordos que impediam a contratação de funcionários-chave das concorrentes. Tais investigações mirando as práticas culminaram, em 2016, com a edição de um guia antitruste para os RHs.

Segundo Chiaro e Nagalli, o guia norte-americano deixou bastante claro que pelo menos três práticas de RH podem ser consideradas ilícitos antitruste: acordos de não contratação/solicitação (no-poaching), fixação de salário ou benefícios (wage-fixing) e troca de informações sobre composição salarial.

Na mesma época em que os Estados Unidos começaram a enfrentar o cartel do RH, autoridades antitruste da Europa também haviam iniciado investigações sobre práticas similares na Espanha, França e Holanda.

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Um ano e meio depois de o Cade abrir processo administrativo contra cartel de RH, cinco pessoas jurídicas pagarão R$ 31 milhões por práticas anticompetitivas"

  1. LUIZ CARLOS BEZERRA disse:

    TODOS OS CARTÉIS EXISTENTES EM NOSSO PAÍS, DEVEM SER DEVIDAMENTE ELIMINADOS, CONFORME NORMAS CONSTITUCIONAIS DE NOSSO PAÍS!
    PARABÉNS AOS INVESTIGADORES, QUE ANALISARAM, INVESTIGARAM E ASSIM CHEGARAM A ESSAS AÇÕES LÍCITAS!
    BRILHANTE MATÉRIA!
    SALVEM O NOSSO PAÍS!

Os comentários estão encerrados

Artigos Relacionados