Vittorio Medioli tenta passar-se por vítima

Vittorio Medioli busca, por meio de notas divulgadas pelo grupo Sada, por atos e outras ações, ser transformado em vítima. Vou explicar. A nota divulgada pela Sada, depois de ter seu proprietário acusado na Polícia Federal de participar de pagamento de propinas da ordem de R$ 10 milhões para a liberação de carta sindical do Sintrago de Pernambuco – fato que deve ser alvo de futuro desdobramento da Operação Registro Espúrio – distorce fatos. Fica evidente a tentativa de esconder os benefícios de que Sada e Vittorio Medioli sempre desfrutaram das relações que possuem com os sindicatos patronais de cegonheiros. Felizmente, as autoridades encontraram o fio dessa meada e estão puxando-o com zelo e muita coleta de provas.

Vamos aos fatos. Em dezembro de 2017, no locaute que bloqueou por 15 dias a planta da Volkswagen em São Bernardo do Campo (foto de abertura), quatro transportadoras (três de propriedade da Sada e de Vittorio Medioli: Brazul, Transzero e Dacunha) orquestraram, em comunhão de esforços com o Sindicato dos Cegonheiros de São Paulo (Sinaceg), movimento que impediu a montadora de contratar novos transportadores para escoar a produção de veículos novos.

Sindicalistas e empresários bloqueiam unidade da Volkswagen
Tudo está escrito na petição ajuizada pela Volkswagen, que ainda pode ser encontrada na Justiça de São Bernardo do Campo. O conluio entre as empresas de Medioli e os “sindicalistas empresários” garantiu ao grupo mineiro dar continuidade ao acordo chancelado por Pablo Di Si, presidente da Volkswagen. Contra o executivo consta uma representação protocolada no Gaeco, por associar-se à organização criminosa que denunciou em juízo.

Em 2005, Medioli e Sada se aproveitaram da atitude inescrupulosa de um cegonheiro-empresário chamado Roberto Augusto, ex-presidente do Sinaceg. Augusto publicou apedido em jornal de Porto Alegre (RS), acusando a Transportes Gabardo, que ganhara uma cotação de preços na Iveco, de irregularidades, as quais não conseguiu provar em juízo.

Como resultado, a Iveco, dizendo-se uma multinacional respeitável, não homologou a transportadora gaúcha, reconduzindo as cargas para a Sada, de Vittorio Medioli. A propósito, atualmente a Sada e Vittorio Medioli enfrentam uma série de acusações e processos que não são oriundos de delação de cegonheiros-empresários, mas de autoridades legitimamente constituídas para apurar a prática de crimes. Mesmo a Sada e seu proprietário sendo investigados pela Polícia Federal e Ministério Público, a Iveco mantém o transporte com a transportadora de Medioli. E nunca quis se manifestar sobre o assunto.

Na Fiat/Jeep, a relação da Sada e de Vittorio Medioli com organismos sindicais patronais (cegonheiros) também chama a atenção. Tanto que Carlos Roesel, presidente do Sindicato dos Cegonheiros de Minas Gerais, teve participação efetiva na criação do fraudulento Sindicato de Cegonheiros de Goiana-PE, o mesmo que, em nota anterior, a Sada de Pernambuco manifestou apoio. Vou refrescar a memória dos que elaboraram a recente nota da Sada:

“O sindicato representativo da categoria dos cegonheiros transportadores da Sada é o Sintrago-PE com registro sindical e base territorial no município de Goiana, onde está instalada a fábrica (da Fiat/Jeep) e não há qualquer pendência ou reclamação dos seus filiados.”

Na nota publicada recentemente, a empresa de propriedade de Medioli afirma que o denunciante, José Milton de Freitas, é um falso cegonheiro. O trecho do texto tenta mais uma vez desqualificar o autor do depoimento. Faltou dizer que Freitas trabalhou por anos com carteira assinada como motorista carreteiro. Em 2011, criou a Migael Transportadora de Veículos. Em 19 de dezembro de 2013, a Brazul Transporte de Veículos, de propriedade da Sada e de Vittorio Mediol, contratou a empresa de Freitas, conforme comprova documento abaixo. Teria contratado um falso cegonheiro?

11-de-julho-de-2018_editorial_blog

JBS e foro privilegiado
Em outro trecho, sem referir o nome do deputado federal Pastor Eurico, que da tribuna da Câmara classificou a Sada como uma “JBS2”, a nota da Sada atribui ao parlamentar prática de abuso do foro privilegiado. O mesmo foro que Vittorio Medioli deteve por anos no Congresso Nacional e nunca se queixou. Omitiu a mesma nota que Sada e Medioli ajuizaram ação contra o parlamentar e que o Supremo Tribunal Federal (STF) mandou arquivar os dois procedimentos.

E por falar em foro, é o mesmo que Vittorio Medioli conquistou para si ao se eleger prefeito de Betim. A Polícia Federal e o Gaeco, por conta disso, mandaram os dois procedimentos ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais, exatamente por conta do “foro de prerrogativa” a que Medioli tem direito, mas posiciona-se contra para os demais eleitos pelo voto direto, como ele.

Está muito longe de ser considerado vítima o empresário que mandou seu vice-presidente, Luiz Alberto de Castro Tito, em conluio com executivos da Tegma e da Brazul, oferecer R$ 1,5 milhão numa mala ao jornalista para prestar depoimento fraudulento. A ideia intentada era acusar empresas, empresários e sindicalistas cegonheiros concorrentes para “abocanhar” a totalidade do transporte de veículos novos.

Atualmente esses grupos, Tegma e Sada, com o apoio político inquestionável dos sindicatos de cegonheiros-empresários, liderados pelo Sinaceg e todos os sindicatos regionais de cegonheiros empresários cooptados no RS, SC, PR, RJ, BA, MG e ES, detêm 95,59% do mercado. E a Sada e Medioli afirmam ter apenas relação institucional.

Por fim, é preciso mostrar que Vittorio Medioli e Sada estão bem longe de serem vítimas. Ambos são denunciados pelo Ministério Público de São Paulo (Gaeco) por formação de cartel e de quadrilha. Atuam junto com os sindicatos de cegonheiros de patrões e com o grupo Tegma, de forma cartelizante. Causam, por conta disso, cerca de R$ 1,4 bilhão de prejuízo ao ano aos consumidores que compram veículos zero-quilômetro. Não medem esforços, segundo a Polícia Federal, para eliminar a impedir o exercício da livre concorrência, consagrado pela Constituição. O cerco está fechando. Lentamente, mas está.

Ivens Carús – Editor

ANTV BID da Volkswagen Cade Cartel dos cegonheiros Fiat Ford Formação de cartel Gaeco GM Incêndios criminosos Jeep Justiça Federal Luiz Moan MPF Operação Ciconia Operação Pacto Polícia Federal Prejuízo causado pelo cartel Sada Sinaceg Sindicam Sintraveic-PE Sintravers STJ Tegma Tentativa de censura Transporte de veículos Transporte de veículos2 Transporte de veículos novos TRF-4 Vittorio Medioli Volkswagen

Um comentário sobre "Vittorio Medioli tenta passar-se por vítima"

  1. Luiz Carlos Bezerra disse:

    PREZADOS LEITORES E INTERESSADOS POR ESTAS MATÉRIAS.
    SÓ TENHO A INFORMAR O SEGUINTE: – VÍTIMA É O CONSUMIDOR FINAL E OS VERDADEIROS TRANSPORTADORES DE VEÍCULOS, COM SEDE NOS ESTADOS DA FEDERAÇÃO, QUE NÃO PODEM TRABALHAR NO DESEMPENHO DE SUAS FUNÇÕES, DEVIDO À MÁFIA ORA DEFLAGRADA!
    VÍTIMA É O POVO BRASILEIRO, QUE PARA ADQUIRIREM UM VEÍCULO NOVO, TEM QUE DESEMBOLSAR MUITOS RECURSOS, PARA MANTER ESTE CARTEL ABSURDO, QUE HOJE EM DIA ENCONTRA-SE COM SEUS DIAS CONTADOS!
    AVANTE MPF, PF E TODO JURÍDICO SÉRIO QUE ATUA NESTAS AÇÕES!
    PARABÉNS TAMBÉM AO DEP. FEDERAL PASTOR EURICO E TODOS QUE ESTÃO COM ELE NESTA BATALHA, BEM COMO O PRESIDENTE DO VERDADEIRO SINDICATO DA CATEGORIA LOTADO EM PERNAMBUCO, SR. JOSÉ MILTON DE FREITAS.
    O BRASIL PEDE SOCORRO E, EM BREVE SERÁ ATENDIDO!!!

Os comentários estão encerrados